Noite, uma
criança chamada saudade.
Quando as primeiras sombras 
cobrem os poentes,
eu  afloro em desejos.
Em mim,
brilham transparentes festas,
tateio minha alma,
rasgo os véus,
dispo armaduras,
desarmo a espada,
 perdoo a distância.
Em horas breves, em som leves,
morre a luz e nasce à noite!
Eu e a lua, uma claridade,
entro em mim, 
estou insaciável,
sou uma paixão, partida ao meio.
Leve como um pássaro da noite,
fantasio horas inquietas,
 acaricio minha essência,
 estou em comunhão, com o universo.
sutilmente movimento emoções, etérias, 
materializando um sentimento,
chamado saudade.


- Helena Huback -






 
Helena Huback Views: 131

Código do texto: 5c2659555950cadc08378e9da4a82638                  Enviado por: Helena Huback em 10/02/2018

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre a autora
Helena Huback
Nova Friburgo, RJ, Brasil


 Ver mais textos desta autora