Tudo Quanto...

 

Tudo quanto não podia fazer

no mundo real,

eu fazia no papel...

e até hoje só escrevo

para fazer papéis.

 

Sim, inventar é o que mais sei...

mas depois de inventado

vejo que tudo,

tudo é tão real

que jamais acredito

seja coisa inventada.

 

Logo, escrever — para mim —

é ir tirando

coisas novas e velhas

lá de uma arca em mim...

e não posso negar-me

( sim, negar a mim mesmo )

dizendo que isso é falso

porque eu e você

sabemos que não é.

 

Ver o que ainda

não está lá...

é um modo de regar

a nossa espera.

 

Além do mais

é mortalmente triste

olhar para as linhas abaixo

e vê-las mortas, em branco,

totalmente sem versos...

LA

 

 



 
Laerte Antônio Views: 93

Código do texto: 9712616b1b1e372876fda8cfbba2ef4f                  Enviado por: Laerte Antônio em 09/10/2017

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2017 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Laerte Antônio
Casa Branca, SP, Brasil


 Ver mais textos deste autor