Resultado de imagem para sob o mesmo céu

CONTUBÉRNIO

Ary Franco (O Poeta Descalço)

 

         Acabara de deixar no Centro da megametrópole em que resido (Miguel Pereira), minha esposa e filha mais nova. Ficaram de ir ao médico para consultas de rotina,  cortar os cabelos no salão de beleza e na farmácia comprar uns remédios. Quando acabassem, telefonariam para ir buscá-las de volta ao nosso “home sweet home”.

         Numa das ruas desertas do bairro em que resido, um caminhão que vinha em sentido contrário, parou para dar-me passagem num estreitamento da pista, provocado por um outro caminhão estacionado. Parei eu antes e pisquei os faróis, dando-lhe prioridade.  Vinha carregado de tijolos e algumas manilhas. O motorista, aceitando minha gentileza, parou ao meu lado e agradeceu:

__ A preferência era sua, meu amigo!

__ Engano seu! O senhor está trabalhando e eu estou passeando.

__ Valeu, meu irmão; fique com meu cartão e é só me telefonar que terá um frete grátis!

__ Obrigado amigo, quando precisar de uns poemas, estarei às ordens, disse-lhe eu sorrindo e entregando-lhe  um cartão com meu telefone.

         Atrás do meu “possante” havia parado um carro “estrangeiro” com o motorista meio estressado que ao ultrapassar-me, vociferou:

__ Tá pensando que é o dono da rua, né? Velho!

         Sorri e sopesei no meu imaginável quantas reações poderia eu ter tido para revidar aquela exagerada intolerância, mas limitei-me a sorrir e ele se foi sem antes “mostrar-me o dedo médio” da mão esquerda, provavelmente irritado com meu desconcertante sorriso e inabalável humor.

         Chegando em casa, fui festivamente recebido pela minha fiel cadela e, após guardar como recordação o cartão do meu novo amigo fretista Álvaro Marques, vim escrever algo a respeito do ocorrido. Ao meu lado, em posição de esfinge, fez-me companhia a Bella assistindo meu dedilhar no teclado do computador.

         “Gentileza gera gentileza” já havia sido escrito pelas ruas do Rio de Janeiro por aquele famoso poeta popular, profeta, pensador, fervoroso religioso cujo nome ignorado por muitos era José Datrino. Em contrapartida, ficou célebre a sentença cujo autor desconheço: “À toda ação, corresponde uma reação igual e contrária.”, regra a qual havia eu acabado de quebrar.

         E quedei a meditar: Como a Humanidade convivendo sob o mesmo teto celestial, consegue dificultar o interagir entre irmãos, sagrado parentesco que nos une? Todo o imenso mundo e sua inesgotável natureza ao nosso dispor e disputamos cada palmo de terra em proveito próprio, sem nos preocuparmos se o próximo tem um chão para pisar.

         Temos aquele direito sagrado de “ir e vir”, mas não  nos interrompam a passagem! Caso contrário, viramos bicho e seremos capazes de chegar as vias de fato! Doravante, ao tentar ser gentil com o próximo, tomarei mais cuidado para não cometer este nefando e imperdoável crime... APRENDI A LIÇÃO!



 
Ary Franco (O Poeta Descalço) Views: 281

Código do texto: 58f00bf3f778501e488cc286131e1f0f                  Enviado por: Ary Franco (O Poeta Descalço) em 19/01/2017

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Ary Franco (O Poeta Descalço)
Miguel Pereira, RJ, Brasil


 Ver mais textos deste autor