Vou fazer um sonetilho

para a minha namorada —

macio como o sequilho

da sua boca aurorada.


Suave como o bisbilho

de sua voz suspirada —

como o roçar do seu cílio

por minha face arrepiada.


Um sonetilho porreta

(mas sem rimar com chulice!...) —

um sonetilho de esteta,


a transformar-lhe a nudez

(e tudo quanto não disse)

em coisas ditas de viés.

LA


 



 
Laerte Antônio Views: 1093

Código do texto: ba720714d9be5b76212e1ae11fd25989                  Enviado por: Laerte Antônio em 22/12/2013

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Laerte Antônio
Casa Branca, SP, Brasil


 Ver mais textos deste autor