Não ficaria, de modo algum, sem as estrelas,
para dirimir angústias preciso delas, vê-las.


Reafirmar a fé nos sentimentos tão concretos,
ir de encontro à vida e ao mundo completos,
quando corações batem nos peitos inquietos.
Tudo pode acontecer, ser melhor, sem mazelas,
vida desfila como calcada em acesas aquarelas,


Abertas as estradas, livre e solto tudo à frente,
o tempo passa devagar, sem pressa, indiferente, 
o âmago do ser, cerne  abraçado à paz reluzente. 
Não se vê acanhado, em apuros, com sequelas,
não mais se perde no escuro, em bagatelas. 

Pelas primeiras letras sempre inicio os poemas,
confio na vida, no fragor dos céus, luzes extremas, 
também nesse seu amor, transparente, sem dilemas.
Daí, tudo flui tão livre, tão ordenadas, as parcelas
da felicidade nas nossas almas ora são as cidadelas. 



Citação e homenagem


"Permita que eu feche os meus olhos,
pois é muito longe e tão tarde!
Pensei que era apenas demora,
e cantando pus-me a esperar-te.
Permita que agora emudeça:
que me conforme em ser sozinha.
Há uma doce luz no silencio,e a dor é de origem divina.
Permita que eu volte o meu rosto para um céu maior que este mundo,
e aprenda a ser dócil no sonho como as estrelas no seu rumo"

Serenata - Cecília Meireles


 
Luiz Morais Views: 1068

Código do texto: e3c8fb922a557253a71ac830b42dfdb4                  Enviado por: Luiz Morais em 06/02/2014

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Luiz Morais
Piracicaba, SP, Brasil


 Ver mais textos deste autor