Impudico, confesso: eu chorei. Bem sei que não choras,
desesperado, palavras clamei, não foram comovedoras.
 
Conspurcado pelo amargor, as lágrimas caíram pelo rosto
trazendo,  de melancolia, tristeza e solidão, amargo gosto,
acompanharam o pranto, desavergonhado e tão exposto.
Sequer ouviste. palavras perderam-se, soaram devedoras,
não ouviu ninguém, petulante, admito: sei que não choras.
 
Indócil, sob céus calados, o brado sonante infindo troava,
distante, fugaz, se logravas ouvir minha a voz, ignoravas.
Todos então teriam que saber que minha alma lamentava;
agora, bem sei que todas foram em vão, mas sonhadoras,
por aquele amor, derramei lágrimas sentidas, desoladoras.
 
O que nessa arrogância tão difícil, maldosa tu arquitetas,
cruel,tão  repleta de caprichos, excedes, não te aquietas:
estarias realmente cansada, ou hesitas ambígua e secreta?
Não descansei, gritei aos ventos palavras avassaladoras,
em vão, não ouvistes, não me ouviu ninguém  àquelas horas.

 

Citação:
Tantos esparsos vi profusamente
Pelo caminho que, a chorar, trilhava!
Tantos havia, tantos! E eu passava
Por todos eles frio e indiferente...
Enfim! enfim! pude com a mão tremente
Achar na treva aquele que buscava...
Por que fugias, quando eu te chamava,
Cego e triste, tateando, ansiosamente?
Olavo Bilac - Via-Láctea

 
Luiz Morais Views: 1454

Código do texto: 896ef7c62e35983f1fcd26fa13ddc408                  Enviado por: Luiz Morais em 11/09/2013

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Luiz Morais
Piracicaba, SP, Brasil


 Ver mais textos deste autor