Como imã atrai tantas vidas,

Umas para o sustento e guarida,

Outras só para descansar.

O sol infiltra seus raios,

O vento acalenta seus galhos.

E até água nela podemos encontrar.

Aranhas expõem seus rendados,

Grilos cantam descontrolados,

Cigarras enquanto a voz aguentar.

E ainda absorve as impurezas  do ar.


PEDALANDO, PEDALINHO

Vai, vai pedalinho,

Segue rota, não abre caminho.

Leva a vida sem pressa,

E a paisagem bem devagarzinho.

Pela água, um instantâneo vestígio,

Pelo solo, são pegadas de carinho,

Para quem  pedala o pedalinho.


 
Arai Santos Views: 444

Código do texto: 9d50e344606e8eeac6e688dd818e5e9b                  Enviado por: Arai Santos em 06/06/2017

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre a autora
Arai Santos
Campo Largo, PR, Brasil


 Ver mais textos desta autora