Solitário, naquele quarto
a olhar para o chão,
pelas paredes velhas
 e cismar o passado.
Ouço o barulho da chuva
que mistura com alguns
sons de insetos lá fora.
Solidão começa aproximar...
Não devo deixá-la apossar
deste coração.
Não mereço sofrer
apesar de estar prisioneiro
neste pedaço de espaço,
medito e ajo para este
mal se afastar porque acredito
no amanhã e num Ser supremo.
Quero e necessito ir além!
Andar sem direção,
mas procurar um caminho que
vai me conduzir.
Sentir o perfume da relva e  
sorver o cheiro dos eucaliptos.
Olhar para o infinito e 
admirar os voos dos pássaros
que pulam, de galho em galho,
 para seu ninho construir. 
Paro um instante e contemplo o etéreo,
sinto-me cansado, mas não quero
 nem parar, nem descansar mas levantar
 a cabeça e seguir em frente.
Ser um caminheiro pelas estradas da vida.
Um ser que não sabe perder
e vai em busca da vitória
para um dia vencer.
 
Serra Negra
17/08/16


 
José Ernesto Views: 248

Código do texto: 473a5884b5bd5ca368729f994c03ed61                  Enviado por: José Ernesto em 18/08/2016

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [1]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
José Ernesto
Serra Negra, SP, Brasil


 Ver mais textos deste autor