TROVAS NOVAS 117

a mãe encantada,

Seu filho ali dormindo,

Não contempla mais nada,

Não há no mundo mais lindo!

 

A distância aparta amor?

Sim, talvez! Vede, porém…

Longe do lar, seja onde for,

É que lhe queremos bem!

 

Não troces d’um tresloucado,

Não te rias de quem chora,:--

-- Ninguém foge ao seu fado,

Muda a sorte de hora a hora!

 

Bebé no berço é ventura,

--Que valem riqueza e fama,

Mais tarde na sepultura,

Somos todos leivas de lama!

 

Os beijos todos são melados,

Por mais doces—ouçam bem—

São amargos, comparados

Aos beijinhos de minha mãe!

 

Ao pintar-se junto ao espelho,

Não há mulher que não veja,

Ser linda, quando há bedelho

Que é feia, ninguém a corteja!

 

Ninguém pense nesta vida

Vencer capaz sem amor,

A ventura apetecida,

Tem que ter um grande labor

 

Só co’a idade há ideia,

Dos erros pela vida fora,

Um jovem nada planeia,

Toda manhã tem sua hora!

 

Por muitas contas que faça,

Sobre a vida, um bom esboço

Jamais gozamos a graça,

A voltar a tempo de moço!

 

Um lugar prá a amizade,

Com toda dedicação,

Só pode ser de verdade,

Meu amigo, no coração!

 

Quando a amizade é segura,

Tenho esta preocupação,

Encho-a de verdade e ventura

Pr’a envia num coração!

 

O rendimento mais rico,

Ponha confiança, di-a-dia

É prestável, eu t’explico

Em tudo fazer economia!

 

A mentira é um vício,

Do espírito e do coração,

Que tem momento propicio,

Pra entrar em acção!

 


 
Nelfoncar Views: 212

Código do texto: 3460454d6ae40c5702789a30bebd1ec7                  Enviado por: Nelfoncar em 05/08/2016

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Nelfoncar
amora Portugal, EX, Portugual


 Ver mais textos deste autor