TROVAS NOVAS 115

 

Foi chorando que escrevi,

Foi, chorando, que a mandei,

Tantas lágrimas verti,

Que o que disse já nem sei!

 

De cada vez que te vejo,

É tanto meu alvoroço,

Minha vontade do desejo,

Todo meu corpo me coço!

 

Porque em tudo és perfeita,

Tão graciosa e bonita,

Que dou um jeito, desta feita

--Bendita, sejas bendita!

 

Tu roubas corações,

Apenas com teu olhar

Onde vou esconder o meu

Que não m’o possas furtar?

 

Mas não fujo nem atino,

por isso furtar me deixo,

Cumpra-se a lei do destino,

Furta-mo não me queixo!

 

Meu pobre coração sangrava,

O que hei-de fazer não sei,

Perdi-o quando o guardava,

Perdi-o quando to dei,

 

Como tive a ideia louca,

D’entregar na tua mão,

À tua cautela pouca

O meu pobre coração!

 

Morena, dá-me esp’rança

Adoça os teus olhos cruéis,

Eu recebi uma herança,

E trago aqui os papéis!

 

 


 
Nelfoncar Views: 268

Código do texto: 0dd1aaef21e185db7df05f588bfdeaac                  Enviado por: Nelfoncar em 17/07/2016

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Nelfoncar
amora Portugal, EX, Portugual


 Ver mais textos deste autor