Batatinha


Batatinha quando nasce

esparrama pelo chão.

Político ao se eleger

já sente coçar a mão.


Batatinha quando cresce

a gente arranca do chão.

Para a mulher do açougueiro

é bom sempre dizer ´´não´´.


Batatinha com linguiça

é boa alimentação.

Quem nunca viu o diabo

que fique sem um tostão.


Batatinha dá salada

com ervilha e pimentão.

O rico procura o pobre

só em tempo de eleição.


Batatinha com pepino

não comi ainda não.

No final quem paga o pato

é o que come arroz-feijão.


Batatinha, ovo e chuchu

descem bem, mas com salsão.

O amor em cama velha

vira ais e estalação.


Batatinha dá purê

que é de fácil digestão.

Quanto mais possui o homem

mais cócegas tem na mão.


Batatinha é quem é magro,

quem é gordo é batatão.

A mulher do meu vizinho

tem um baita dum bundão.


Batatinha na política,

na ciência e religião.

O amigo que te visita

não vem com boa intenção.


Batatinha bem fininha

a gente come um montão.

Cônjuge que pula cerca

amarra-se no colchão.


Batatinha quando nasce

faz um tapete no chão,

menininho quando dorme

segura forte o pimpão.


Batatinha com tatu

dá processo e dá prisão —

mas o que devia dar

é mais remuneração.


Batatinha com champanha

é de um chique bem bundão.

O amigo que te procura

traz consigo o amigo-não.


Batatinha com caju

é uma baita esnobação.

Quem quiser aparecer

vá virando assombração.


Batatinha não dá gases,

nem a chamada prisão...

Pode comê-la a princesa

quando for ver o sultão.


Batatinha já existia

desde os tempos de Abraão,

e vai varar muito tempo

tal como a quenga e o ladrão.


Batatinha com conhaque

vai muito bem, por que não?

Moça nova quando dorme

soca sonhos no pilão.


Batatinha não dá doce,

só batatas-doces dão.

Assim também todo mundo

só dá o que tem na mão.


Batatinha quando muita

engorda feito balão.

O meu vizinho é um homem

que só come do seu pão.


Batatinha com jiló,

nem lá dentro da prisão.

As belas que me desculpem,

mas santas as feias são.


Batatinha com cebola,

vagem, cenoura e limão.

O machão é um homem-besta,

mulher-besta é femeão.


Batatinha com lagosta

o francês não come não.

O amigo que te visita

não dês folga pra ele não.


Batatinha machadiana

é servida com irrisão.

A vizinha tem um charme

que é um rasante de avião.


Batatinha dá na serra,

dá na várzea e no grotão:

é como gente que "doa" —

começou não larga mão.


Batatinha é apreciada

do Brasil até Sei-Não.

Mulher direita é difícil,

mas tem, e quem diz que não?


Batatinha engrossa a sopa,

dando um caldo além de bom.

Só não casei com Gertrudes

por usar muito batom.


Batatinha já existia

na terra da servidão.

Os hebreus quando fugiam

tinham nela o coração.


Batatinha com suflê

de sêmen de tubarão —

falam até que ergue poste,

mastro de circo e avião.


Batatinha é bom pra fome

do nobre e do pobretão.

Os ricos do mundo inteiro

mais vivem de transfusão.


Batatinha dá um xarope

que ergue até mão-de-pilão.

Difícil é achar madeira

que não rache com essa "mão".


Batatinha de Machado

diz da humana condição —

"Ao vencedor as batatas,

ao vencido... compaixão."


Batatinha é coisa chique

com um chope geladão.

Menina dos olhos garços,

encosta aqui no portão.


Batatinha é degustada

na mansão e no barraco.

Pra mim chega de batata —

que já desenchi o saco.

LA


 


 

 



 
Laerte Antônio Views: 367

Código do texto: 65f7bdb29038855ca2a34b689d6cf642                  Enviado por: Laerte Antônio em 13/02/2016

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Laerte Antônio
Casa Branca, SP, Brasil


 Ver mais textos deste autor