NOVAS TROVAS 101

 

Quero meu tempo fruir,

Deixando vir o que vem;

Porque o dia que há-de vir,

Inda não o viu ninguém!

 

Eu namoro uma velhinha,

Da qual sou bom pedinte,

Mas ela muito m’espezinha,

Porque, ela d’anos só tem vinte!

 

Fechei, triste meu coração,

Como dez fortes cadeados,

Ainda assim tua posição,

M’enche de mil cuidados!

 

Não sei porque tanto indagas,

Se tenho boa ou má fama,

Olha, minha raiz tem chagas,

Mas é melhor que a tua rama!

 

Enganar mulher pelo coração;

--Salomão disse e assim fez,

Não tem de Deus o perdão,

Se a não engana outra vez!

 

Fujam de nosso fadário

Bem longe que não se veja;

Há pouco caiu o campanário,

Talvez logo caia a igreja!

 

Um grande amor em pleno,

Não sendo excesso é virtude,

Se em dose grande é “veneno”,

Em regra justa dá saúde!

 

Vinte cinco padres-curas,

Pelo papa foram condenados,

Por uma anaguas puras,

Que “viram” e fizeram pecados!

 

Achaste que eu era insossa,

Mas alguém m’achou doce…

Garotos d’hoje da nova bossa,

São piropos que me dão tosse!

 

Quando passares por mim,

Não me olhes com esse olhar,

Sou peixe do bom, assim

Muito difícil de pescar!

 

Teus olhos e mais os meus,

Olhares trocam atentos,

E sabem dizer, calados

Quais são os seus tormentos!

 

Nas obras todas de Deus,

Não são pouco singulares,

Duas almas, que s’entendem,

Apenas trocando olhares!


 
Nelfoncar Views: 384

Código do texto: 938c157bae91d108b4d667fedbb3d5bf                  Enviado por: Nelfoncar em 11/11/2015

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Nelfoncar
amora Portugal, EX, Portugual


 Ver mais textos deste autor