TROVAS DO MEU REPORTÓRIO

 Guardo oculto no teu peito,

Todo dissabor que abraças,

Porque há gente de respeito,

Que se ri das tuas desgraças!

 

Já sofri tanta maldade,

Tanto desprezo e desdém,

Que até me falta a vontade

De ter ´dio por alguém!

 

Contra as leis da natureza

Esta certeza é notada:

Mulher de cabeça leve,

E a carga é mais pesada!

 

Tudo que sonhas consegues,

Basta que tenhas vontade,

Mas meu amigo não negues,

Que descrês da tua faculdade!

 

Deixa a Parca desafiar,

Sua presa, não é estranho;

Deus está atento a olhar,

Pelas ovelhas de seu rebanho!

 

Nossa vida tem caminhos,

Que ninguém sabe o seu termo,

Por vezes longos com espinhos,

Ou incertos, em lugar ermo!

 

O azeite vem ao de cima,

Lá diz um velho rifão,

Mas nem sempre vem ao rosto,

O que sente o coração!

 

Não compreendes a razão

Da tua injustiça, amor,

Pois dás maior punição

A quem te serve melhor!

 


 
Nelfoncar Views: 582

Código do texto: c947fb57f062fcfed824b3b9f0066a6e                  Enviado por: Nelfoncar em 02/06/2015

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre o autor
Nelfoncar
amora Portugal, EX, Portugual


 Ver mais textos deste autor