O VELHO RABUGENTO

Quando o velho morreu na ala geriátrica do lar em uma pequena cidade australiana, todos acreditavam que ele passou distante e insignificante lá longe, não deixando nenhum vestígio de valor dele. Mais tarde, quando as enfermeiras foram tomadas por seus poucos pertences, eles encontraram este poema. Seu significado e conteúdo tão impressionaram a equipe que cópias do poema rapidamente se espalhou para todos os funcionários do hospital. Uma enfermeira levou uma cópia em Melbourne. Apenas o velho testamento já apareceu em revistas de Natal em todo o país, bem como em revistas para psicólogos. Também com base no seu poema simples mas eloquente apresentação foi feita. E esse pobre homem que faleceu sem familia numa asilo de velhos numa pequena cidade da Austrália agora explode a profundidade on-line de sua alma.

Velho rabugento.

 (tradução literal)
O que você vê, enfermeira? O que vês? O que acha quando olhas para mim? Velho rabugento, um pouco de nojo ou quem sabe desfeita com olhos falando o incompreensível, e de boca cerrada as vêzes sem querer se alimentar derramando o alimento e você com raiva! Definição da palavra alimento desperdiçado? Quando você grita "Vamos tentar!" parece que eu não percebo o que estou fazendo. Para sempre perdendo meias ou sapatos? Não importa o que não é estressado, mas permite que você faça alguma coisa com isso? Não há nada para preencher o dia, exceto banho e alimentação? O que você acha? É isso que você vê? Abra os olhos, enfermeira.Se olhas para mim vendo o que esta ainda aqui dentro, eu vou te dizer que estou mesmo aqui sentado em silêncio, de acordo com tua vontade e comendo teu pedido, num dia inútil para mim e trabalhoso para ti.
Ainda tenho aqui dentro um menino de 10 anos que vive com seu pai e mãe, irmãos e irmãs, e todos nos amamos.
Um jovem rapaz de dezesseis anos, com asas nos pés que conhecer o amor da sua vida no outro dia.
O noivo, que em breve vinte- e cujo coração salta, juramentos esquecidos, que prometeu fazer.
E eu agora tenho vinte e cinco e eu tenho meu próprio bebê. Isso precisa ser meu guia para eu trabalhar e proteger minha casa.
O homem que sou agora tem trinta! Meu bebê tem crescido rapidamente, estamos ligados por laços de inviolável.
E aos quarenta anos meus filhos cresceram e sairam de casa para viver suas própias vidas. Mas minha mulher permaneceu perto de mim e isso não me dá para chorar.
E aqui estou com cinquenta,novamente crianças jogado aos meus pés, novamente com as crianças, meus netos,eu e a minha amada esposa.
Agora a escuridão e angústia em mim,minha esposa está morta. Eu olho para o futuro e tremo de medo. Agora vivo por causa das crianças e pelos seus filhos. E eu penso sobre os anos de... o amor que eu tinha.
Agora eu sou um homem velho.... e a vida é cruel. Escárnio, faz velhice olhar estúpido. O corpo fica velho e caindo aos pedaços, a grandeza e o poder se acabam e a gente é abandonado por ser triste e não servir para nada, servimos de peso para tõdos. E agora no lugar onde uma vez era amor , mora um coração de pedra.
Mas dentro desta concha ainda vive, e o jovem bate novamente o coração de bombear. Lembro-me da alegria,lembro de tudo detalhadamente , mas, lembro-me toda a dor. Amar e viver! Nesta vida como antes. Acho que sobre os anos que foram tão pouco e quem voou tão rápido. E eu concordo com o fato que eu sei que nada pode durar para sempre.
Então abra os olhos, as pessoas! Vá e dê uma olhada. Não um velho rabugento! Olhe com cuidado e tente ver além , a vida e os sentimentos e o que ainda tenho dentro de mim.
________________________________________
Mantenha este no seu pensar e na próxima vez para se encontrar com um velho! E pensar que mais cedo ou mais tarde você também vai como ele ou ela é! As melhores e mais bonitas coisas neste mundo não podem ser vistas ou tocadas. Elas devem ser sentidas com o coração! 

 

Alma Gort

 
Alma Gort Views: 1097

Código do texto: 3c59d7fcae08f3ed0ac1cb3962fae33b                  Enviado por: Alma Gort em 22/07/2014

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [0]


 Escrever comentário

 
Sobre a autora
Alma Gort
Campina Grande, PB, Brasil


 Ver mais textos desta autora