Do Altar da Consciência

 

Senhor,

Que a minha tolerância não subtraia

a minha importância;

Que o meu limite de compreensão

não vá além da situação cabível;

Que eu entenda a hora de falar

 a verdade, calar e escutar;

Que eu feche os olhos e contenha

o impulso de reclamar aquilo que

não é da minha alçada;

Que eu não seja tola ao ponto

de me deixar enganar pelos mascarados;

Que eu possa descobrir tudo

 que está escondido por trás das palavras,

ouvidas e escritas;

Que o meu amor próprio não se consuma

devorado pelas paixões;

Que a minha consciência não me traia

por desejos de TER, PODER E SER;

Que eu consiga compreender o sofrimento,

 a dor, a necessidade do próximo, mesmo

sem ouvir um pedido de AJUDA,só por entender;

Que eu não seja tão boa a fim de me

corromper,de me prejudicar para agradar;

Que eu seja sempre tão conformada a ponto

de não invejar o que é dos outros;

Que o meu amor próprio seja tão forte,

quanto forte é a grandeza de amar o outro;

Que eu consiga viver em paz, sem a presença

dos maus;

Que eu não seja abandonada pelos amigos

e familiares nas horas precisas da minha vida;

Que eu não tema nunca a solidão

a  ponto de perder a razão;

Que eu não perca a fé em mim,

nos amigos,nos outros e em Deus;

Que me acenda uma candeia no subterrâneo

da minha mente, na hora de escolher

os governantes; pois já errei demais;

Que eu seja sempre eu mesma,

mesmo submetida à torturas.

Que eu vença o egoísmo e saia de mim

mesma,sabendo que nada somos sozinhos.

Eu Te agradeço, Senhor, por tudo que já me destes.

Seja feita a Vossa vontade!



 
Maria José Virginio Views: 1103

Código do texto: f843de96b1815fb61c64aa95026bb147                  Enviado por: Maria José Virginio em 28/03/2014

Compartilhe este texto com seus amigos   
 
  
  

Copyright © 2018 Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 
Ler Comentários [1]


 Escrever comentário

 
Sobre a autora
Maria José Virginio
Recife, PE, Brasil


 Ver mais textos desta autora